Você quer ser se antecipar ao futuro e ser relevante? Gaste mais o seu tempo, então, queimando o cérebro em ideias que podem ser aplicáveis e necessárias neste mundo que se transforma por minuto

No momento em que escrevo este texto ou no momento em que você lê este mesmo texto, é possível que um protesto de taxistas esteja passando na porta da sua casa ou escritório. O motivo é bem conhecido: os impactos da utilização crescente de aplicativos como o Uber e o Cabify, a disrupção digital.

Não se trata aqui de discutir as vantagens e desvantagens desses recursos e suas implicações jurídicas e comerciais, mas constatar que a evolução dos recursos digitais promove uma revolução, uma disrupção digital, uma viagem sem volta. Ou você se adapta ou é engolido por soluções que atendem as necessidades básicas das pessoas. Simples.

O que você vai ler neste artigo?
*Fique atento às mudanças que a disrupção digital provoca
*Criatividade só é válida se se transformar em inovação
*Quais as tendências dos meios digitais para o futuro

Pois pense bem antes de remar contra a maré! “Somos bons em reagir, mas precisamos aprender a nos antecipar”, dispara a consultora e palestrante nas áreas de Marketing Digital, Inovação e Educação, Martha Gabriel. Hoje, essa capacidade de enxergar além é uma competência fundamental.


A capacidade de prever o futuro é uma competência essencial nos dias de hoje, afirma Martha Gabriel. “Somos bons em reagir, mas precisamos aprender as nos antecipar”.


Para ser mais direto, gaste mais o seu tempo queimando o cérebro em ideias que podem ser aplicáveis e necessárias neste mundo que se transforma por minuto. É assustador, não é?! Sim. Mas é melhor ser realista do que prostrar-se perante o inexorável.

Como lembra Martha, o rádio demorou 38 anos para atingir 50 milhões de pessoas, enquanto o WhatsApp precisou de apenas um mês para alcançar o mesmo índice. Se você quer mais exemplos, saia das cidades e vá para o campo.

Lá, os drones estão substituindo um monte de gente que trabalhava na pulverização das lavouras. No mundo, há a perspectiva de que 47% dos empregos sejam substituídos por robôs nos próximos 20 anos. Você pensou agora que pode perder o seu emprego?! Pois é, também pensei. Já existem aplicativos que constroem textos artificialmente.

Toda essa mudança provoca, também, grandes transformações no nosso comportamento. Passamos o tempo administrando as nossas comunicações! Fique atento a isso!




A criatividade só tem validade se for implementada e se transformar em inovação
Como sobreviver neste ambiente um tanto quanto assustador sem ficar ansioso e conseguir uma úlcera? (os robôs não ficam ansiosos e nem têm úlcera). Mesmo que estejamos sugerindo que você corra contra o tempo, Martha Gabriel faz um alerta:

“A tecnologia recria a realidade. Tudo depende da forma como a utilizamos. Se você acelerar o presente, pode capotar o futuro”. Tudo, afirma a autora do best seller “Marketing na Era Digital”, depende de como você vai avaliar as oportunidades que este novo ecossistema de comunicação e negócios proporciona.

É preciso ser criativo, apontam muitos gurus. Martha ressalta, no entanto, que a criatividade só tem validade se for implementada e se transformar em inovação. As soluções exigem, atualmente, uma nova visão sobre o mindset das pessoas.

O que elas de fato precisam e querem? Você está preparado para isso? “Veja os exemplos do Waze e do Pokémon Go. Foram criados em cima do que já existe, ou seja, o mapeamento via satélite do planeta. Não construíram nenhum mapa”, explica.


As soluções exigem, atualmente, uma nova visão sobre o mindset das pessoas. O que elas de fato precisam e querem?

Para tornar o seu caminho mais fácil, Martha Gabriel enumera as tendências que você deve ficar atento para acompanhar as transformações digitais nas áreas de Mobile, Social e Data Economy. Vamos a elas:

Social
Colaboração
Valores
Engajamento
Influência
Capital social
Crowdsourcing
Horizontalização
Descentralização
Fragmentação
Social everything

Mobile
Vídeo
Busca
Ecossistema de APPs
SoLoMo
Wearable
Internet das Coisas
Ubiquidade
Realidade aumentada
Geolocation - LBS
BYO
Cibridismo
Tempo real
Cross screen
Everything social
Transmídia
Big data
Qualified self

Data economy
Digital divide/Data divide
Quantified Self
3D printing (casas, comida, órgãos artificiais)
Cloud
Big data/Smart city/car/home/ objects
Mensuração
Simulation economy
Gamefication
Programe ou seja programado
Inteligência artificial
Robots/drones
Convergência
Desmaterialização (livros, música, relógio, câmera, bitcoins)

Não conhece algumas dessas tendências? É hora então de estudar, questionar, preparar-se enfim para as mudanças cada vez mais aceleradas que a disrupção digital provoca. Planeje. Como afirma o poeta Carlos Drummond de Andrade, “perder tempo em aprender coisas que não interessam, priva-nos de descobrir coisas interessantes”.