Autor do livro best seller Invista em futebol, Juliano Fontes acredita que a regulamentação dos jogos e apostas esportivas no Brasil vai trazer grandes oportunidades para empreendedores digitais.

Trader acionário há 11 anos e esportivo há 9, Juliano Fontes Já ensinou mais de 2300 alunos a trabalharem com trading esportivo e transformarem seu esporte favorito em renda. Autor do livro best seller Invista em futebol, ele acredita que a regulamentação dos jogos e de apostas esportivas no Brasil vai trazer grandes oportunidades para empreendedores digitais.

O que você vai ver neste artigo
*O jogo no Brasil pode ser regulamentado?
*O que o país perde com a não regulamentação dos jogos?
*Quais as oportunidades no segmento para empreendedores digitais?

Mesmo proibido desde 1946, o jogo acontece no País de forma clandestina e estima-se que nesses 70 anos o Estado deixou de arrecadar mais de R$ 400 bilhões em tributos. Segundo o Instituto Jogo Legal, tendo como referência os países onde a atividade é legalizada, o segmento pode movimentar anualmente no Brasil cerca de R$ 59 bilhões.


Juliano Fontes destaca que 146 dos 193 países da ONU possuem leis e regulamentações, ou seja, cerca de 75%

O jogo no Brasil pode ser regulamentado?

Dois projetos de lei tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado Federal com o objetivo de formatar marcos regulatórios para a exploração dos jogos (bingos, cassinos, jogos line e loterias) no país.

Câmara Federal - Na Câmara dos Deputados, está o projeto de lei PL 442/91, o Marco Regulatório dos Jogos no Brasil, que reúne propostas sobre legalização de cassinos, bingos, caça-níqueis, jogo do bicho e jogos online.

Pelo projeto, os cassinos estariam em complexos de lazer construídos especificamente para a exploração de jogos. O mesmo grupo econômico teria concessão por 30 anos, não poderia ter mais de um estabelecimento no mesmo estado e estaria limitado a cinco cassinos no Brasil.

No caso dos bingos, seria do município a responsabilidade de licenciar e fiscalizar a modalidade, que teria prazo de concessão de 20 anos. Cidades com mais de 50 mil habitantes poderiam ter até 500 máquinas de videobingo; com menos de 50 mil, o limite seria de 300 máquinas. Há restrições ainda sobre a proximidade entre bingos e cassinos. Finalmente, o jogo do bicho teria a concessão e fiscalização sob responsabilidade dos estados e o prazo de exploração seria de 20 anos.

Senado Federal - No Senado, tramita outro projeto, o PLS 186/2016, cuja proposta está dividida em três seções: cassinos, bingos e jogo do bicho. Neste cenário, os cassinos estariam localizados em complexos de lazer e teriam concessão válida por 30 anos. Seriam permitidos, no máximo, 35 cassinos no país, sendo que alguns estados, de acordo com a população, teriam no máximo três cassinos.

Já os bingos só poderiam funcionar em locais que não oferecessem outros jogos de azar. Seriam permitidos um bingo para cada 150 mil habitantes de uma cidade. Municípios com população inferior a 150 mil poderiam ter apenas um bingo. Quanto ao jogo do bicho, a atividade deixaria de ser contravenção penal, passando a ser regulamentada pelas prefeituras.

O que o país perde com a não regulamentação dos jogos?

Para os grupos que defendem a regulamentação dos jogos no Brasil, o segmento tem grande potencial de geração de receita e de oportunidades de geração de emprego. Especialistas calculam que atualmente o jogo movimenta quase R$ 20 bilhões, R$ 8 bilhões a mais que os jogos oficiais no país. A estimativa é que só o jogo do bicho, o mais popular no país, movimenta R$ 12 bilhões na ilegalidade — distribuídos em 350 mil pontos de jogo pelo país, contra 13 mil lotéricas.

E o vício no jogo, é um impeditivo? Igor Federal, CEO do Brazilian Series of Poker (BSOP), afirma que 3% de todo o universo dos jogadores são compulsivos e 1,5% enfrentam problemas graves por conta disso. É um percentual pequeno, segundo ele. “Há compulsão em todas as atividades humanas. A questão é que usam estes exemplos de quem faz mau uso da atividade para criar um ambiente de terror social contra a legalização do jogo”.



Quais as oportunidades no segmento para empreendedores digitais?

Com o currículo de ter conquistado diversos prêmios como maior investidor em casas de apostas como FantasticWin e Betmotion e ter sido o maior divulgador da Betfair no mundo nos anos de 2014 e 2015, Juliano Fontes aponta algumas vantagens que a regulamentação dos jogos pode promover para o empreendedorismo digital no país:

*Crescimento dos anúncios em mídias sociais.

*Implantação de sistemas antifraudes para o monitoramento e segurança no controle de resultados.

*Implantação de sistemas para otimizar o pagamento de apostas.

*Implantação de sistemas para o pagamento de Imposto de Renda

E você, o que acha da regulamentação dos jogos no Brasil?